ROTA 4

De Bingen a Essen

A quarta rota nos conduz bem ao oeste da Alemanha. Lá fica o primeiro patrimônio cultural alemão: a catedral de Aachen, que entrou para a lista da Unesco em 1978. Visitaremos também outro importante monumento sacro e arquitetônico, a Catedral de Colônia.

Nossa viagem começa na pequena cidade de Bingen. O trecho de 65 quilômetros até Koblenz é patrimônio cultural desde 2002. A melhor maneira de conhecer a região é fazer um passeio de barco ou caminhar por trilhas, como o Rheinburgenweg ou o Rheinsteig. Já no século 18, a beleza das paisagens desta região, com seus vinhedos, inúmeros castelos e fortalezas, atraía turistas do mundo inteiro. O Reno se tornou um símbolo do romantismo alemão. O íngreme penhasco Loreley faz parte deste romantismo. Conta a lenda que em seu topo uma ninfa cantava, enquanto penteava seus longos cabelos dourados. Isso encantava os capitães dos navios, que naufragavam neste trecho estreito e perigoso do rio.

Em Koblenz, na confluência dos rios Mosela e Reno, termina o Vale do Alto Médio Reno. A vista mais bonita se tem do teleférico com cabines de vidro, que passa sobre o Reno. Ele liga Koblenz à fortaleza de Ehrenbreitstein

Descendo o Reno cerca de 100 quilômetros, nosso próximo destino: os castelos Augustusburg e Falkenlust, em Brühl. Considerados os primeiros exemplos de palácios alemães no estilo rococó, integram a lista do patrimônio cultural da Unesco desde 1984. O arcebispo e príncipe-eleitor Clemente Augusto importou o estilo rococó da França em 1725. Nas obras do castelo Augustusburg trabalharam arquitetos, pintores, escultores e estucadores franceses, italianos e alemães. Após a 2ª Guerra Mundial, o castelo Augustusburg foi usado por longo tempo para as recepções do presidente da Alemanha Ocidental.

Nossa próxima parada é a Catedral de Colônia, Patrimônio Mundial desde 1996. Após sua conclusão, passou a ser ponto de referência para projetos de arquitetura de grandes igrejas no mundo todo. Rica em superlativos, levou 632 anos para ser concluída, o que faz dela a obra mais demorada da história da Alemanha. Com suas torres de 157 metros de altura, a catedral de Colônia era o prédio mais alto do mundo quando ela foi concluída, em 1880.

Em Aachen, a oeste de Colônia, vamos encontrar outro grande exemplo de arquitetura sacra. A Catedral de Aachen foi o primeiro patrimônio mundial alemão. Ela entrou para lista da Unesco em 1978. Sonhando criar uma nova Roma, no final do século 8º o imperador Carlos Magno mandou erigir esta maravilha da arquitetura, que combina elementos formais bizantinos com detalhes da arquitetura da Antiguidade Romana. Mais de 30 reis foram coroados na Catedral de Aachen e até hoje a majestosa cúpula octogonal no centro do templo sacro impressiona os visitantes. Não se deve deixar de visitar também os tesouros da catedral, no prédio em frente.

Um contraponto moderno nesta rota é a mina Zollverein, na cidade de Essen, a 125 quilômetros de Aachen. A antiga mina de carvão, última etapa desta rota, faz parte da lista da Unesco desde 2001. A mina é denominada "a mais linda do mundo". Entre os anos 1927 e 1932, os arquitetos da Bauhaus Fritz Schupp e Martin Kremmer desenvolveram projetos no complexo industrial da mina. Durante 135 anos, foi extraído e processado carvão na mina Zollverein. O nome (Zoll = alfândega, Verein = associação) é uma referência à zona de livre comércio instituída em 1834 entre 14 Estados alemães para incentivar o crescimento econômico. A mineração de carvão trouxe prosperidade à região do Ruhr. Monumento industrial e símbolo desta época, a mina desativada é atualmente utilizada para eventos culturais.

 

Bingen

65 km

Koblenz

97 km

Brühl

20 km

Colônia

71 km

Aachen

128 km

Essen