Oito perguntas a…

Yasmin Nicholson, estudante

Estou visitando Trier: o que não posso deixar de ver?

Uma visita obrigatória é a Porta Nigra. Denominada também Portão Negro por sua coloração escura é considerado o símbolo da cidade. O portão romano construído no século 2º foi feito com arenito claro. Passados mais de 1.700 anos, as intempéries e a poluição são responsáveis pela cor escura da pedra. Atualmente, a Porta Nigra é o monumento romano mais bem conservado que a cidade tem a oferecer.

Do que você mais gosta aqui?

O anfiteatro romano construído entre os anos 160 e 200, com capacidade para 20 mil espectadores, me impressiona muito. Aqui, em outros tempos, os gladiadores lutaram por suas vidas. As instalações subterrâneas ainda bem conservadas desta imponente arena estão também abertas à visitação. Sob essas abóbadas, os gladiadores e leões esperavam para entrar na arena. Durante uma visita a Trier, se pode ver como eram essas lutas, pois todos os anos são realizadas encenações do "espetáculo romano".

Você tem alguma dica especial?

Eu recomendo uma visita guiada pela Porta Nigra, o símbolo da cidade de Trier. O visitante pode assim fazer uma viagem pelo tempo, através de séculos de história. O passeio começa com a construção do portão no norte de Trier, o que ocorreu por volta do ano 200, e termina com a chegada do imperador francês Napoleão, que devolveu ao portão sua forma original depois de ter sido usado na Idade Média como igreja.

O que mais a impressionou na sua primeira visita?

Principalmente o alto nível de desenvolvimento da arquitetura romana. Se levarmos em consideração as limitações técnicas com que os construtores romanos tinham de lidar cerca de 2 mil anos atrás, fica bem evidente o valor da obra arquitetônica que a cidade de Trier tem a oferecer a seus visitantes.

Qual é a época do ano mais bonita?

A temporada turística mais intensa é entre os meses de abril e outubro. Mas mesmo fora dessa época vale a pena visitar este patrimônio da humanidade. Durante todo o ano, são oferecidas visitas guiadas pela cidade e seus arredores.

O que mais devo visitar aqui?

Numa visita à cidade, não se deve deixar de ver a Catedral de Trier, que é a igreja episcopal mais antiga da Alemanha, e a Igreja de Nossa Senhora, considerada um exemplo significativo da arquitetura gótica. No interior da catedral, cuja origem remonta ao ano 320, pode-se visitar uma relíquia importante da antiguidade: Túnica Sagrada. Segundo a lenda, trata-se de um pedaço da vestimenta de Jesus Cristo, que a mãe do imperador romano Constantino teria trazido para Trier.

Visitar patrimônios dá fome. Que especialidade regional não posso deixar de experimentar?

O Mehlkniedel mit Griewen, uma almôndega de farinha de trigo com bacon e compota de maçã. Outro prato que também é muito gostoso é o Flammkuchen, uma espécie de pizza de massa muito fina. Para acompanhar, o ideal é um copo de vinho branco da região.

E qual patrimônio da humanidade você gostaria de visitar?

A Catedral de Speyer com sua cripta. Ela é a maior sala românica com colunas da Europa.

Yasmin Nicholson

conhece Trier desde sua infância, pois cresceu num lugarejo a poucos quilômetros dali. A teuto-americana cursou o Ensino Médio em Trier.

Em 2010, começou a estudar gestão de turismo e cultura na cidade de Colônia. Em 2012, como parte de seus estudos, fez um estágio no centro de turismo e informação da cidade de Trier.

 

Trier

78 km

Völklingen

158 km

Lorsch

51 km

Speyer

66 km

Maulbronn