Oito perguntas a…

Marie-Louise Frey, geóloga e administradora do Sítio Fossilífero de Messel

Estou visitando Messel: o que não posso deixar de fazer?

Se você tiver o preparo físico adequado, não pode deixar de descer até o ponto mais profundo do poço de Messel ou de participar da expedição ao buraco de perfuração no centro de visitantes. A câmara mais profunda do Sítio Fossilífero de Messel fica a 65 metros abaixo do nível do solo.

Do que você mais gosta aqui?

A simplicidade do lugar, que esconde um tesouro único no mundo e, como um diamante bruto, não revela seu valor de imediato.

Você tem alguma dica especial?

Participe de uma das visitas guiadas oferecidas no fim da tarde ou à noite. Nessas horas mais calmas do dia, o Sítio Fossilífero de Messel é envolvido por uma atmosfera muito especial.

O que mais a impressionou na sua primeira visita?

Quanto mais fundo o visitante entra no Sítio de Messel, mais evidente fica para ele a tridimensionalidade da antiga mina e seu caráter de cratera. Essa cratera, formada há 47 milhões de anos, foi a base tanto para o xisto betuminoso que há aqui hoje, como para a grande variedade de fósseis.

Qual é a época do ano mais bonita?

Eu, pessoalmente, acho o Sítio Fossilífero de Messel mais emocionante entre maio e junho, quando a primavera desperta a natureza ao redor da antiga mina.

O que mais devo visitar aqui?

O Museu de Fósseis em Messel, que fica a cerca de quatro quilômetros do Sítio Fossilífero. Além de mostrar outros fósseis originais, o museu documenta a luta dos cidadãos e da comunidade de Messel contra a antiga ideia de transformar o atual patrimônio mundial em aterro sanitário.

Visitar patrimônios dá fome. Que especialidade regional não posso deixar de experimentar?

Os pratos feitos com batata são a especialidade da região em torno de Messel. Por exemplo, o Messeler Flapsch, que é um tipo de bolinho de batata ralada em camadas. Quem não gosta de batata, deve experimentar queijo fundido com pão rústico.

E qual patrimônio da humanidade você gostaria de visitar?

O Mar de Baixio, no verão, e a Ilha de Reichenau, na primavera.

Marie-Luise Frey

administra o patrimônio mundial Sítio Fossilífero de Messel.

A geóloga estudou mineração, geociências e metalurgia em Aachen. Desde 2003, trabalha no depósito de fósseis do Sítio de Messel. Aqui, nos últimos anos, ela tem se empenhado sobretudo para melhorar o acesso aos visitantes, apesar dos trabalhos de pesquisa contínuos.