Oito perguntas a…

Ulrike Laible, diretora do Centro do Patrimônio Mundial de Bamberg

Estou visitando Bamberg: o que não posso deixar de fazer?

O centro histórico de Bamberg é altamente diversificado, escondendo inúmeros tesouros históricos e culturais. Logo na primeira vez, os visitantes vão perceber a estrutura fechada da cidade, que remonta à Idade Média e ao período barroco. Caminhar pelas ruas e vielas históricas é um passeio que vale a pena. E, naturalmente, ninguém pode deixar de visitar a catedral, o Alte Hofhaltung, a residência dos bispos com o jardim de rosas e a antiga prefeitura, no meio do rio.

Do que você mais gosta aqui?

Bamberg é uma cidade cheia de vida, com muitos lugares bonitos e convidativos. Gosto especialmente da ligação estreita da cidade com o rio Regnitz e das muitas áreas verdes. Uma paisagem cultural única, por exemplo, é a área ao redor do Mosteiro de São Miguel com terraços, jardins e amplos pomares. Inclusive voltou-se a cultivar vinhas no mosteiro.

Você tem alguma dica especial?

Minha dica é visitar Gärtnerstadt, um bairro secular dos jardineiros de Bamberg. Ele também faz parte do conjunto do patrimônio mundial por suas estruturas únicas, que foram preservadas. Um circuito turístico criado recentemente e que inclui uma plataforma panorâmica ajuda a explorar o local. É lindo ver os jardins antigos do alto da plataforma. Visitar o Museu dos Jardineiros é uma experiência muito especial. Ainda hoje há muitos jardineiros profissionais na cidade.

O que mais a impressionou na sua primeira visita?

Além dos monumentos principais, existem muitos pequenos detalhes, que foram preservados em Bamberg. Por toda parte há coisas para se descobrir.

Qual é a época do ano mais bonita?

A época mais bonita é certamente o verão, quando estão abertas as cervejarias ao ar livre, que aqui são chamadas de Bierkeller. Os meses de inverno são ideais para quem quer tranquilidade. Nessa época, recomendo também assistir a um concerto da famosa Orquestra Sinfônica de Bamberg ou passear pelo Krippenweg (caminho dos presépios), que passa pelas belas igrejas de Bamberg.

O que mais devo visitar aqui?

Devido à Mostra Bávara de Jardins de 2012, os caminhos à beira do rio Regnitz foram ampliados. Eles conectam uma antiga indústria abandonada ao parque Hain. A histórica eclusa Schleuse 100 oferece uma adorável vista da mansão Villa Concórdia, onde hoje moram artistas internacionais.

Visitar patrimônios dá fome. Que especialidade regional não posso deixar de experimentar?

A cozinha da região da Francônia é famosa pela comida caseira. Algumas especialidades são o Brotzeitteller (prato de queijos e frios da região), salsichas grelhadas, assado de porco, o Bierhaxe (joelho de porco com molho de cerveja) e a Bamberger Zwiebel (cebola recheada com carne). E, claro, tudo sempre acompanhado de uma Rauchbier, cerveja feita com malte defumado.

E qual patrimônio da humanidade você gostaria de visitar?

A fábrica Fagus, em Alfeld – um berço da arquitetura moderna.

Ulrike Laible

é historiadora de arquitetura. Trabalhou em Berlim até 2009.

Até 2009, foi diretora do Centro Schinkel de arquitetura, pesquisa urbana e preservação de monumentos históricos em Berlim. Foi responsável por diversos projetos, exposições e publicações sobre temas de arquitetura e história da arte.

De 2011 a 2013, foi diretora do Centro Patrimônio Mundial Bamberg.