Oito perguntas a…

Jutta Fischer, prefeita da cidade Eisleben

Estou visitando Eisleben. O que não posso deixar de ver?

Não se deve deixar de percorrer o Caminho de Lutero. Desde 2010, ele liga os dois patrimônios mundiais da cidade. O caminho começa na casa onde nasceu Lutero e vai até a casa onde ele faleceu, passando pela Igreja de Santo André, onde ainda hoje se pode ver o púlpito em que ele proferiu seu último sermão poucos dias antes de morrer.

Do que o senhor mais gosta aqui?

Para mim, é fascinante a história de mais de mil anos desta cidade. No entanto, até 1990 ela estava em mau estado. Em 1983, e com o início das festividades do ano do jubileu, as cidades relacionadas a Lutero ganharam atenção. Após a Reunificação da Alemanha, o leste recebeu intensa ajuda financeira e o centro de Eisleben foi restaurado, eliminando assim os danos causados pelo tempo. Hoje, o centro histórico da cidade é uma grande atração turística.

Você tem alguma dica especial?

Minha sugestão é visitar as celas dos monges no mosteiro de Santa Anna (Annenkloster), que a história diz terem sido construídas em 1516. É provável que Martinho Lutero tenha ocupado uma dessas celas. Desde abril de 2012 está também aberta para visitação a igreja onde Lutero foi batizado, no dia 11 de novembro de 1483. Partes da pia batismal ainda são originais da época.

O que mais a impressionou na sua primeira visita?

Conheço Eisleben desde a minha mais tenra infância. O que me impressiona até hoje quando regresso à cidade depois de longa ausência são os montes pontudos de entulho de minério na entrada da cidade. Eles me lembram a importância da mineração para toda a região de Eisleben. Já no século 13 existiam minas de exploração de xisto aqui na região de Mansfeld. Os montes de entulhos da época da mineração parecem pirâmides e desde a infância são para mim símbolos da terra natal.

Qual é a época do ano mais bonita?

A primavera. Mas também o outono é especialmente lindo, pois graças às inúmeras árvores o centro da cidade se transforma num mar de cores. Além disso, em setembro, temos uma grande festa popular, cuja tradição remonta a 1521 quando Eisleben recebeu pela primeira vez permissão para realizar uma feira de gado.

O que mais devo visitar aqui?

O "Milagre de Helfta", que é como chamamos aqui o mosteiro cisterciense de Santa Maria. Em 1999, após 450 anos de secularização, dez freiras voltaram ao mosteiro dando-lhe nova vida.

Visitar patrimônios dá fome. Que especialidade regional não posso deixar de experimentar?

Durante séculos, a mineração influenciou Eisleben e seus arredores. Por isso, nossa cozinha é bastante simples, mas muito saborosa. Uma especialidade daqui é a sopa chamada "Céu e Terra" (Himmel und Erde) e é preparada com batatas e pêras.

E qual patrimônio da humanidade você gostaria de visitar?

Não consegui até agora visitar a catedral de Aachen. Espero poder visitá-la num futuro próximo.

Jutta Fischer

há muitos anos engaja-se em sua cidade natal.

Mesmo antes de se candidatar pela primeira vez a um cargo político, em 2006, a economista já trabalhava na administração de Eisleben. Desde 2009, é prefeita da cidade.