Oito perguntas a…

Regina Bittner, vice-diretora da Fundação Bauhaus em Dessau

Estou visitando a Bauhaus em Dessau: o que não posso deixar de ver?

O histórico prédio da secretaria do Trabalho, que foi projetado e construído em 1929 pelo arquiteto fundador da Bauhaus, Walter Gropius.

Do que você mais gosta aqui?

O que eu gosto especialmente no prédio é que sua arquitetura está conectada à reforma social da República de Weimar. Lá são visíveis as ideias, ideais e utopias de um novo conceito de luz, espaço e arquitetura.

Você tem alguma dica especial?

O conjunto habitacional experimental em Dessau-Törten foi o local onde a ideia de construção racional para moradia foi colocada em teste pela primeira vez. Por Gropius e seu colega Hannes Meyer.

O que mais a impressionou na sua primeira visita?

Quando vim a Dessau pela primeira vez, em 1988, a base do Exército russo era em frente ao prédio da escola Bauhaus. Impressionou-me muito ver o acampamento militar tão próximo. Hoje, no local fica o campus de outra instituição de ensino superior.

Qual é a época do ano mais bonita?

Em maio.

O que mais devo visitar aqui?

Os jardins de Dessau-Wörlitz. Eles podem ser comparados a Bauhaus, pois no período Iluminista os projetos também eram concebidos na tentativa de melhorar a sociedade.

Visitar patrimônios dá fome. Que especialidade regional não posso deixar de experimentar?

O Flammkuchen, um tipo de pizza, da Casa Heilmann, que é servida no almoço na cantina universitária da Bauhaus.

E qual patrimônio da humanidade você gostaria de visitar?

Brasília, a capital do Brasil. Ela foi projetada por Oscar Niemeyer e Lúcio Costa e inaugurada em 1960, apenas quatro anos depois das obras começarem.

Regina Bittner

é vice-diretora da Fundação Bauhaus em Dessau.

A especialista formada em Ciências da Cultura nasceu e cresceu em Freiberg, na Saxônia. Ela também coordena o corpo docente da Fundação Bauhaus em Dessau, em que pessoas criativas de todo o mundo exploram os desafios do urbanismo contemporâneo.