Oito perguntas a…

Katrin Lesser, paisagista

Ao visitar os conjuntos habitacionais modernos de Berlim, o que não posso deixar de ver?

A Cidade-Jardim Falkenberg foi elaborada pelo arquiteto Bruno Taut e me bisavô, o paisagista Ludwig Lesser. Este complexo acaba sendo o menos visitado pelos turistas, já que fica mais afastado, mas eu considero a visita absolutamente necessária. O Britz, apelidado carinhosamente de Conjunto Habitacional da Ferradura, é o maior dos seis complexos e também vale a pena ser visitado. Nos anos 1920, ele foi uma dos primeiros grandes canteiros de obras em Berlim.

Do que você mais gosta aqui?

Falkenberg é a primeira cidade-jardim de Berlim e foi construída antes da Primeira Guerra Mundial. Ela chama a atenção pelo seu colorido, tanto que é também é conhecida como "complexo estojo de tinta". Aliás, quando ela foi construída, muitos berlinenses se incomodaram com o fato de as casas serem tão coloridas. Apenas uma é preta. O Conjunto Habitacional da Ferradura também tem casas vermelhas, amarelas, azuis e brancas. Bruno Taut era criativo na concepção de moradias urbanas e conseguia salientá-las usando cores.

Você tem alguma dica especial?

Minha dica seria a Casa de Taut, que fica no sexto bloco do Conjunto da Ferradura. Ela foi restaurada com as cores originais planejadas por Bruno Taut para seu interior, e decorada com móveis dos anos 1920 e 30. Toda a casa, incluindo o jardim restaurado, pode ser alugada a pessoas que pretendem viver como naquela época.

O que mais a impressionou na sua primeira visita?

Por mais de 75 anos, o Conjunto Habitacional Britz, na forma de ferradura, pertenceu ao mesmo proprietário. Isto garantiu a manutenção de grande parte da construção original. As janelas duplas de madeira e as portas de entrada nunca foram substituídas. Elas continuam em sua forma e cores originais, formando uma imagem uniforme.

Qual é a época do ano mais bonita?

No complexo em forma de ferradura, a primavera é a estação mais bonita. Em duas ruas, Parchimer Allee e Onkel-Bräsig-Strasse, os jardins frontais têm cerejeiras. Em abril, quando elas começam a florescer, andar pela rua é como caminhar embaixo de nuvens cor-de-rosa. Somam-se a elas muitas outras árvores frutíferas que também têm flores brancas e de cor rosa.

O que mais devo visitar aqui?

Em uma distância que pode ser percorrida a pé, existe a propriedade tombada Britz, com dois museus, dois restaurantes e um lindo jardim do século 17. Lá, você pode admirar o coração do antigo vilarejo, com a igreja, o lago, a casa paroquial e o antigo prédio da escola. A propriedade também possui uma criação de animais de antigas raças domésticas.

Visitar patrimônios dá fome. Que especialidade regional não posso deixar de experimentar?

Se você vier na primavera europeia, não deixe de experimentar os aspargos de Beelitz. Este aspargo cresce ao sul de Berlim e, servido com presunto e batata, é uma delícia.

E qual patrimônio da humanidade você gostaria de visitar?

Gostaria de conhecer o centro histórico e as muralhas de Shibam, no Iêmen, porque acho fascinante a construção com barro.

Katrin Lesser

mora há mais de 15 anos no Conjunto Habitacional Britz.

Desde 2008, o complexo em forma de ferradura no sul de Berlim pertence à lista de patrimônios da humanidade, junto a outros cinco conjuntos. A paisagista cresceu em Karlsruhe e hoje trabalha, entre outras coisas, como perita de monumentos, atuando no Conjunto Habitacional Britz e na Cidade-Jardim Falkenberg.