Oito perguntas a…

Beatrice Busjan, diretora do Museu da História Municipal da cidade hanseática de Wismar

Estou visitando Wismar: o que não posso deixar de ver?

O mercado com a Wasserkunst, a prefeitura e o Alten Schweden, um restaurante em construção gótica. O porto e sua abóbada, o portão Wassertor, armazéns e a galeria Baumhaus. A maravilhosa decoração da igreja de São Nicolau (Nikolaikirche) e a torre da Igreja de Santa Maria (Marienkirchturm), que tem uma exibição – incluindo uma apresentação em 3D – sobre a construção gótica com tijolos. A Igreja de São Jorge (Georgenkirche), cuja reconstrução, finalizada em 1990, foi chamada de "milagre de Wismar". O Fürstenhof, o arsenal (Zeughaus), a igreja do Espírito Santo (Heiligen-Geist Kirche), a rua Frische Grube, assim como as ruas Krämerstrasse e Scheuerstrasse.

Do que você mais gosta aqui?

A mudança súbita de pequeno para grande, de estreito para largo. Becos apertados guiam você da grande praça central até o cais medieval, onde a cidade repentinamente abre-se na baía de Wismar, no Mar Báltico, com suas imponentes casas comerciais e pequenas moradias.

Você tem alguma dica especial?

Se você quiser fazer uma pausa e descansar, o pátio interno da Igreja do Espírito Santo é o lugar certo. Quem tem mais fôlego pode subir até a abóbada da Igreja de São Nicolau ou à torre da Igreja de Santa Maria e vivenciar perspectivas diferentes das construções góticas. Os mais românticos devem definitivamente conhecer a noite de Wismar, quando o Fürstenhof, que antigamente servia como palácio para os casamentos de duques, mostra seu charme.

O que mais a impressionou na sua primeira visita?

A região do centro histórico cercado pela Igreja de São Nicolau com a avenida Lindenalle ao sul e a Frische Grube com a imponente Schabbelhaus me impressionaram muito a primeira vez que visitei Wismar.

Qual é a época do ano mais bonita?

Venha quando você tiver tempo, pois todas as épocas do ano têm suas atrações e festividades. Na primavera, temos os "Dias de Arenque de Wismar". No verão, a vida da cidade desloca-se para fora, nas ruas e pátios. No outono, muitos habitantes abrem suas casas e jardins para visitantes no Dia das Portas Abertas nos Monumentos Históricos. E, no inverno, o Papai Noel chega de barco até Wismar, pelo Mar Báltico.

O que mais devo visitar aqui?

Em Wendorf, bairro a oeste do centro histórico, você pode aproveitar a atmosfera praiana: da ponte do mar tem-se uma linda vista da baía de Wismar e do centro histórico. O cemitério de Wismar, que parece um parque, com suas árvores e capelas antigas, também merece uma visita. E, no final de 2012, o museu de ciência Phantechnikum abrirá para uma exposição inovadora sobre a história da técnica na região de Mecklemburgo.

Visitar patrimônios dá fome. Que especialidade regional não posso deixar de experimentar?

Peixe fresco comprado no porto de Wismar e vinho espumante da adega hanseática de Wismar.

E qual patrimônio da humanidade você gostaria de visitar?

Na Alemanha, os jardins de Dessau-Wörlitz. Na Europa, eu gostaria de visitar de novo Carcassonne, na França, e Sabbioneta, na Itália. E, se eu pudesse escolher qualquer lugar no mundo, gostaria de ver a parte histórica de Kyoto, que nunca visitei e tenho muita curiosidade.

Beatrice Busjan

Beatrice Busjan nasceu e cresceu em Münster, na Renânia do Norte-Vestfália.

Em 1991, a historiadora de arte mudou-se para o estado de Mecklemburgo-Pomerânia Ocidental para trabalhar no departamento de legado cultural estadual em Schwerin. Desde 1994, Busjan mora e trabalha em Wismar, onde chefia o Museu da História Municipal.